0

Introdução e parte 1

INTRODUCÅO

Este trabalho visa fazer um comparativo entre charges e textos jornalísticos publicados durante o período de junho de 2013 durante as manifestações no Brasil que a princípio ficou conhecida como “Manifestações dos 20 centavo” ¹ , nome dado devido a reivindicação inicial da população contra o aumento da tarifa do transporte publico. Fato este que posteriormente ganhou força e dando início então a uma grande manifestação no país, exigindo melhorias em diversos setores públicos como saúde, transporte e segurança.

A escolha deste tema se deu por conta da repercussão do caso, a dimensão do mesmo e a identificação de uma necessária análise comportamental dos veículos de comunicação neste período. Os veículos de comunicação podem transmitir a mesma informação e abordar diversos ângulos diferentes, o que consequentemente, dá ao público significados diferentes de acordo com sua memória representativa do fato e o conhecimento dos símbolos em questão.
Para uma análise mais detalhada e profunda, iremos concentrar os estudos nas publicações de matérias e charges datadas no mesmo dia, ambas feitas pelo jornal Folha de São Paulo durante o mês de junho. Através das matérias selecionadas durante este período analisaremos linguísticamente a posição do jornal perante o movimento social. Através das charges publicadas no mesmo período poderemos fazer uma análise critica do que o chargista tentou transmitir. Posteriormente iremos contrapor a linguagem escrita com a visual e analisar se o discurso de ambas conversam entre si.
 PARTE 1
BREVE RETROSPECTIVA DOS MOVIMENTOS SOCIAIS:
Os movimentos sociais crescem de acordo com a tomada de consciência e poder democrático dentro de uma sociedade, eles consistem na maneira que a população tem para reivindicar seu interesses em prol da coletividade. A força de um movimento social pode mudar a historia de um pais, eles dão  a margem necessária para uma mudança de regras e o funcionamento do sistema político operante. Alem da mudança social que pode ocorrer dentro de cada cidadão. Para Karl Marx, através das suas teorias marxistas,  os movimentos sociais são o único meio de intervir e impor mudança dentro de um regime politico. O marxismo serviu de influencia  para diversas áreas com suas idéias anti capitalistas, de transformação e igualdade social, de distribuição da riqueza. Muitos dos movimentos sociais encontram no Marxismo a formação do seu discurso e sua linha de conduta, inclusive para as suas organizações políticas, protestos e formas de ação. (TEORIZAR MAIS SOBRE MARX AQUI).
CONTEXTO DOS MOVIMENTOS DE JUNHO: ANTECEDENTES
Os momentos sociais na historia do Brasil – muitas vezes chamadas de revolta –  estão presentes ao longo dos séculos, desde o período colonial ate a república, de norte a sul do país. O Brasil ja travou diversas disputas ideológicas, territoriais e políticas ao longo de sua história. De acordo com jornalista e escritor Sergio Caldieri ² O primeiro ato de revolta colonial que se tem notícia aconteceu em 1562 na Confederação dos Tamoios, entre coligações de tribos indígenas, que foi apaziguada pelos padres jesuítas Manuel da Nóbrega e José de Anchieta. No nordeste temos notícias da Insurreição Pernambucana, ato da população nordestina contra o domínio holandês, durante essa revolta ocorreram conhecidas batalhas como de Tabocas e Guararapes, a revolta encerrou-se com a derrota holandesa e a expulsam dos mesmos do país. No norte tivemos a revolta no Maranhão que em 1684 resultou na expulsão dos jesuítas. Uma das mais conhecidas e estudadas revoltas foi a Inconfidência Mineira, onde a elite se uniu contra a cobrança de altos impostos e procuraram estabelecer uma república independente em Minas Gerais. Esses são poucos movimentos perto de muitas que séculos atrás deram o tom histórico de rebeldia para a coletividade no Brasil. Trazendo para um tempo mais recente, podemos citar o Golpe de 64, que em 31 de março de 194, lideres civis e militares derrubaram o então presidente da república Joao Goulart. Os movimentos sociais não declinaram com o tempo, nos tempos atuais temos inúmeros movimentos sindicais, o MST, entre outros, que servem de pauta política e social e provam que a mobilização em prol da coletividade é um mecanismo fundamental para impor a mudança social.
OS MOVIMENTOS DE JUNHO DE 2013: DESENVOLVIMENTO E REPERCUSÅO
Por se tratar um acontecimento relativamente recente, muitos estudos acerca do tema ainda serão sendo feitos, ou estão em andamento. De acordo com o professor do departamento de ciência política da Universidade de São Paulo, Andre Singer, em seu artigo entitulado de “ Dossiê:  Mobilizações, Protestos e Revoluções”, os primeiros sinais de mobilização em protesto contra o aumento a tarifa do transporte público tiveram início em São Paulo no início de junho, mais precisamente no dia 06 de junho de 2013 e foi comandado pelo Movimento do Passe livre (MPL), que convocavam as pessoas através das redes sociais para protestos em todo o país, os convites com dia e hora marcados eram feitos através de eventos criados na rede social Facebook, isso serviu para e unificar o movimento e as informações passadas a respeito do mesmo. Com isso o movimento ganhou cada vez mais força e adeptos e consequentemente mais voz de luta perante o governo.  Após esse período inicial novas pautas entraram em questão, a população passou a perceber que unidos tinham voz ativa, seus atos e reivindicações começaram a ganhar força e partidos políticos viram nesse movimento uma oportunidade de levantar sua bandeira.
¹ http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0101-33002013000300003&script=sci_arttext&tlng=p#back5
²http://www.rededemocratica.org/index.php?option=com_k2&view=item&id=5129:confederação-dos-tamoios
Anúncios